Prótese de Mama Curitiba, Paraná

Procurando por mais informações sobre Prótese de Mama em Curitiba? Encontre aqui endereços e telefones de hospitais e médicos em Curitiba que podem esclarecer suas dúvidas sobre Prótese de Mama. Aproveite para conseguir dicas e mais informações com nossos artigos informativos e conhecer os hospitais e médicos de sua região.

Centro Médico Athena
(41) 3323-8480
Rua Desembargador Vieira Cavalcanti 590
Curitiba, Paraná
 
Clínica Dr Romão Zeki Youssef Cirurgia Plástica
(41) 3092-3308
Rua Desembargador Costa Carvalho 430
Curitiba, Paraná
 
Plasticorp Cirurgia Plástica
(41) 3076-6927
Rua Inácio Lustosa 1009
Curitiba, Paraná
 
Clínica Marigliano
(41) 3257-8000
Rua Panamá 209
Curitiba, Paraná
 
Ripo Clínica de Cirurgia Plástica
(41) 3076-7431
Rua Inácio Lustosa 109
Curitiba, Paraná
 
Clínica Doutor Adel
(41) 3078-5235
Rua Prefeito Ângelo Ferrário Lopes 1183
Curitiba, Paraná
 
Clínica de Cirurgia Plástica
(41) 3339-4680
Rua Padre Anchieta 1846 s 1001
Curitiba, Paraná
 
Cirurgia Plástica Avançada
(41) 3342-6970
Rua Bruno Filgueira 369 cj 1202
Curitiba, Paraná
 
Clínica Cavalcanti
(41) 3342-7611
Avenida 7 de Setembro 5256
Curitiba, Paraná
 
Vivacita Cirurgia Plástica e Medicina Estética
(41) 3262-2313
Rua Schiller 1940
Curitiba, Paraná
 

Prótese de Mama

A plástica mamária com o uso de prótese de silicone é indicada na maioria das vezes para pacientes que têm mamas pequenas e que desejam o aumento destas e uma melhor proporção corporal. Há também pacientes que após gravidez, amamentação ou perda de peso tiveram redução do volume mamário, com ou sem discreta ptose (queda) da mama.

A cirurgia tem por finalidade melhorar a projeção, o contorno e as proporções das mamas, possibilitando a utilização de roupas com decote e o fim da necessidade de “esconder” o corpo ou de utilizar recursos como sutiãs com enchimento ou com armação.

Os implantes atuais são feitos com gel de silicone de alta coesão no seu interior, evitando os problemas do silicone líquido utilizado no passado. A prótese de silicone não traz prejuízo à saúde da mulher (câncer de mama, doenças reumáticas, etc). Exames radiológicos anuais, de rotina, também não são prejudicados.

Existem diversos modelos de próteses, com perfil baixo, alto e super alto, com diferentes formatos da base (redondo, anatômico). Durante a consulta  as variedades de implantes são mostradas à paciente. A soma das preferências do paciente com a experiência do médico permite chegar à conclusão de qual modelo e de qual volume são os mais indicados para cada caso.

As vias de acesso para introdução da prótese são três: areolar, submamária e axilar. A prótese pode ser posicionada em dois espaços diferentes: por baixo ou por cima do músculo peitoral. Cada método tem suas vantagens e desvantagens, que são debatidas e explicadas ao paciente. Mas o local mais comum tem sido sobre o músculo, e não abaixo.

 

A preferência do autor deste site ocorre da seguinte ordem:  

prótese via areolar no plano subglandular, indicada para a maioria das pacientes, pois muitas têm aréola > 4cm e têm algum volume de glândula mamária. A cicatriz é quase imperceptível. prótese via axilar no plano subglandular, evitando assim a cicatriz no seios (apesar desta ficar muito apagada) e evitando a dor no pós-operatório e permitindo um retorno mais rápido às atividades do dia-a-dia prótese via axilar no plano submuscular, especialmente em pacientes muito magras e com confirmação de câncer de mama com  gene familar  presente

 

Outros dois detalhes importante são que próteses de mama NÃO interferem na amamentação, qualquer que seja o plano escolhido e que a via axilar NÃO interfere no linfonodo sentinela. Este linfonodo (gânglio) axilar é utilizado para avaliar a extensão da doença em pacientes com câncer de mama e já está mais do que comprovado de  que a prótese via axilar não interfere nesta avaliação.

Em relação ao formato e volumes das próteses pela via axilar, praticamente não há diferenças com a via areolar. Eventualmente, um volume muito grande (>400ml) poderia não passar pela incisão areolar ou axilar e poderia ser indicada a incisão inframamária. De novo, cada caso é diferente, uma paciente com aréola grande até poderia permitir a passagem de tais volumes. Um exame físico detalhado e uma consulta bastante explicativa são fundamentais para esclarecer todos os detalhes e  chegar a um consenso com a paciente sobre volume, formato, via de acesso e posição a serem utilizados.

Este procedimento proporciona um aumento do volume mamário com cicatrizes pequenas e camufladas, com muita naturalidade de contorno. Outros procedimentos como lipoaspiração ou abdominoplastia são frequentemente associados a esta cirurgia.

 

Indicações:

Seios pequenos ou que tenham sofrido reduções devido à gravidez ou perda de peso podem ser adequadamente dimensionados com a utilização de prótese de silicone.

Deverá existir uma harmonia entre o volume das mamas e o tamanho do tórax, característica esta que deve ser observada no planejamento da cirurgia.

O resultado final é extremamente natural. Em alguns pacientes, além da colocação da prótese, realiza-se também a correção da flacidez de pele, como nos casos de ptose mamária (mamas caídas).

Anestesia:

Anestesia geral ou local com sedação, dependendo do caso.

 

Tempo de Internação:

Geralmente 24 horas.

Pós-operatório:

Antes da cirurgia a paciente é orientada quanto aos movimentos e cuidados que deverá ter no pós-operatório. Uma diminuição da movimentação dos braços nos primeiros 7 a 10 dias é indispensável. O retorno ao trabalho ocorre entre 7 e 14 dias.

Recomenda-se não carregar carregar peso no primeiro mês e proteção solar por 6 meses. Ocorre uma redução progressiva do edema (inchaço), com gradativa acomodação dos tecidos e aspecto cada vez mais natural.

Seguindo as orientações médicas, o período de recuperação é bastante confortável. É um pouco mais doloroso quando a prótese é colocada abaixo do músculo.

Ocorre uma redução progressiva do edema (inchaço), com gradativa acomodação dos tecidos e aspecto cada vez mais natural. Com o decorrer do tempo as cicatrizes vão ficando mais apagadas.

Apesar do resultado ser muito bom pouco tempo após a cirurgia, é somente no período tardio (6–12 meses) que as mamas atingirão sua forma definitiva.

Lembre-se: um dia os implantes precisarão ser trocados. Pergunte ao seu médico quando e em que condições isto poderá ser feito.