Transtorno de Ansiedade Generalizada Esteio, Rio Grande do Sul

Procurando por mais informações sobre Transtorno de Ansiedade Generalizada em Esteio? Encontre aqui endereços e telefones de hospitais e médicos em Esteio que podem esclarecer suas dúvidas sobre Transtorno de Ansiedade Generalizada. Aproveite para conseguir dicas e mais informações com nossos artigos informativos e conhecer os hospitais e médicos de sua região.

Nelson Lemos
(51) 477-2577
R Boqueirao 320
Canoas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Ricardo Lorenzi Rasia Dal Polo
(51) 3477-2577
Av Boqueirao 320
Canoas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Solange Maria Seidl Gomes
(51) 3592-7500
Sao Joaquim 792 - 904
Sao Leopoldo, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Ana Maria Scofano Mainieri
(51) 3222-6998
Mostardeiro 333 - 502
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Patricia Goulart Sessegolo
(51) 3022-3207
Pedro Adams Filho 5604 - Sala 503
Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Ricardo Ferreira Cornely
(51) 3472-5579
R. Fioravante Milanez 58 - Centro
Canoas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Joana Presser Garcez
(51) 3592-2579
Sao Joaquim 792 - 303
Sao Leopoldo, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Renato Henkin
(51) 3223-4600
R Sao Manoel 1919
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Fernando Monteiro da Rocha
(51) 3331-7467
Rua Miguel Tostes 998 - Sala 24
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Paulo Guilherme Fett Dixon
(51) 3343-4538
Av Cristovao Colombo 2382
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Transtorno de ansiedade generalizada

Transtorno de ansiedade generalizada

Definição
O transtorno de ansiedade generalizada (TAG) é um padrão de preocupação e ansiedade frequente e constante em relação a diversas atividades e eventos.
Nomes alternativos
TAG; transtorno de ansiedade
Causas, incidência e fatores de risco
O transtorno de ansiedade generalizada (TAG) é uma doença comum. Os genes podem ser fatores determinantes. As situações cotidianas estressantes ou o comportamento aprendido também podem contribuir para o desenvolvimento do TAG.
Faça o teste no iG Saúde e descubra qual o seu grau de ansiedade
O transtorno pode começar em qualquer momento da vida, inclusive na infância. Na maioria dos casos, as pessoas com essa doença afirmam não lembrar de um período em que não eram ansiosas. O TAG ocorre com um pouco mais de frequência em mulheres que em homens.
Sintomas
O principal sintoma é a presença quase permanente de preocupação ou tensão, mesmo quando há poucos motivos ou não existe um motivo. As preocupações parecem passar de um problema para outro, como questões familiares, amorosas, relacionadas ao trabalho, à saúde ou de várias outras origens.
Foto: ADAM
Transtorno de ansiedade generalizadaMesmo quando as pessoas com TAG têm consciência de que suas preocupações ou medos são mais fortes do que o necessário, elas ainda têm dificuldade para controlar essas reações.
Outros sintomas incluem:
Dificuldade de concentração
Fadiga
Irritabilidade
Problemas para adormecer ou para permanecer dormindo e um sono que geralmente não é revigorante e satisfatório
Inquietação, sensação de estar no seu limite ou nervosismo extremo, geralmente ficando assustado com muita facilidade
Além das preocupações e ansiedades, diversos sintomas físicos também podem se manifestar, incluindo tensão muscular (tremedeira, dores de cabeça).
Com o transtorno de ansiedade, ainda é possível ocorrer depressão e abuso de substâncias.
Exames e testes
Um exame físico e uma avaliação psicológica podem descartar outras causas para a ansiedade. O médico deve descartar transtornos físicos que podem imitar a ansiedade, além de sintomas causados pelo uso de drogas. Esse processo inclui diferentes testes.
Tratamento
O objetivo do tratamento é ajudar você a agir normalmente na vida cotidiana. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) e os medicamentos são a base do tratamento. Os medicamentos são uma parte fundamental. Depois de começar a tomá-los, não interrompa o tratamento sem conversar com o médico.
Medicamentos que podem ser usados:
Os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRSs) geralmente são a primeira opção de tratamento. Os inibidores de recaptação de serotonina e norepinefrina são outra alternativa
Alguns antidepressivos e medicamentos antiepilépticos podem ser usados nos casos mais graves
As benzodiazepinas, como alprazolam (Xanax), clonazepam (Klonopin) e lorazepam (Ativan), podem ser usadas se os antidepressivos não amenizarem os sintomas como esperado. A dependência prolongada desses medicamentos é motivo de preocupação. Problemas de memória de curto prazo também podem ocorrer com o uso prolongado
Um medicamento chamado buspirona é outra opção
As terapias cognitivo-comportamentais devem ser usadas em combinação com a terapia medicamentosa. Durante várias semanas, você deve participar de 10 a 20 consultas com um profissional da área de saúde mental.
São etapas comuns desse tipo de terapia:
Adquirir uma compreensão sobre as visões distorcidas dos estressores da vida, como o comportamento de outras pessoas ou eventos importantes, e aprender a controlar essas visões
Aprender a reconhecer e substituir os pensamentos que causam pânico, diminuindo o sentimento de impotência
Aprender técnicas de gerenciamento de estresse e relaxamento para ajudar quando os sintomas ocorrerem
Aprender a não pensar tão rapidamente que as pequenas preocupações se transformarão em problemas muito graves
Evitar cafeína, drogas ilícitas e até mesmo alguns remédios para gripe também pode ajudar a minimizar os sintomas.
Um estilo de vida saudável que inclua exercícios, descanso suficiente e boa alimentação pode ajudar a diminuir o impacto da ansiedade.
Evolução (prognóstico)
Geralmente, o sucesso do tratamento depende da gravidade do transtorno de ansiedade generalizada. A doença pode persistir e ser difícil de tratar, mas a maioria dos pacientes apresenta grande melhora com os medicamentos ou a terapia comportamental.
Complicações
As pessoas com TAG podem desenvolver outros transtornos psiquiátricos, como síndrome do pânico ou depressão. O abuso ou dependência de substâncias poderá se tornar um problema se você tentar se automedicar com drogas ou álcool para diminuir a ansiedade.
Ligando para o médico
Procure o médico se você perceber sinais e sintomas do transtorno de ansiedade generalizada e eles estiverem interferindo na sua vida diária e afetando seu bem-estar.
Referências
Anxiety Disorders. National Institute of Mental Health. U.S. Department of Health and Human Services. Accessed February 5, 2010.
Hoffmann SG, Smits JA. Cognitive-behavioral therapy for adult anxiety disorders: a meta-analysis of randomized placebo-controlled trials. J Clin Psychiatry. 2008;69:621-632.
Pollack MH, Kinrys G, Delong H, Vasconcelos e Sá D, Simon NM. The pharmacotherapy of anxiety disorders. In: Stern TA, Rosenbaum JF, Fava M, Biederman J, Rauch SL, eds. Massachusetts General Hospital Comprehensive Clinical Psychiatry. 1st ed. Philadelphia, Pa: Mosby Elsevier;2008:chap 41.
Connolly SD, Bernstein GA. Work Group on Quality Issues. Practice parameter for the assessment and treatmetn of children and adolescents with anxiety disorders. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2007;46:267-283.
Todas as doenças