Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) Maceió, Alagoas

Procurando por mais informações sobre Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em Maceió? Encontre aqui endereços e telefones de hospitais e médicos em Maceió que podem esclarecer suas dúvidas sobre Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Aproveite para conseguir dicas e mais informações com nossos artigos informativos e conhecer os hospitais e médicos de sua região.

Suzzana de Vasconcellos Bernardes Santos
(82) 2126-0852
Rua Dr. José Afonso de Melo 68 - Sala 516
Maceio, Alagoas
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Gicelia Luzia Santos Loureiro
Doutor Pedro Monteiro 168 - Casa
Maceio, Alagoas
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Jael Lobato Ramalho da Silva
823-2410
R Sebastiao da Hora 16
Maceio, Alagoas
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Carlos Alberto Vieira Fonseca
(82) 3337-2900
Rua Eng Mário Gusmão 18 sl 5
Maceio, Alagoas
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Nadja Oliveira de Mendonca
Rua Floriano Ivo 205
Maceio, Alagoas
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Jose Rosival Lemos Brandao
(08) 2241-9106
Alameda Sao Benedito 557
Maceio, Alagoas
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Gerardo Campana Neto
Professor Sandoval Arroxelas 357
Maceio, Alagoas
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Darlan Fernando dos Santos
(08) 2241-4884
Major Cicero de Goes Monteiro 3219 - Clínica de R Dr José Lopes
Maceio, Alagoas
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Maria da Conceicao Cedrim Lobo
(82) 3221-9634
Av Moreira e Silva 446
Maceio, Alagoas
Especialidade
Psiquiatria

Dados Divulgados por
Clínica Psicológica e Médica Sociedade Civil
(82) 3336-6609
Rua do Uruguai 141
Maceió, Alagoas
 
Dados Divulgados por

Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)

Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)

Definição
O transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) é um problema de desatenção, hiperatividade, impulsividade ou uma combinação destes. Para que esses problemas recebam um diagnóstico de TDAH, eles devem se apresentar fora de um limite normal para a idade e o desenvolvimento da criança.
Nomes alternativos
TDA; TDAH; Hipercinesia infantil
Causas, incidência e fatores de risco
Estudos de imagem sugerem que o cérebro de uma criança com TDAH é diferente do de uma criança normal. Nessas crianças, os neurotransmissores (inclusive dopamina, serotonina e adrenalina) agem de maneira diferente.
O TDAH pode ser herdado geneticamente, mas sua causa não é clara. Independentemente da causa, ele parece se estabelecer cedo na vida da criança, enquanto o cérebro está se desenvolvendo.
Depressão, falta de sono, incapacidade de aprender, transtornos de tique e problemas comportamentais podem ser confundidos com TDAH. Toda criança com suspeita de ter TDAH deve passar por uma avaliação cuidadosa para determinar o que contribui para tais comportamentos que causam preocupação.
O TDAH é o transtorno comportamental infantil mais frequentemente diagnosticado. Ele afeta aproximadamente de 3 a 5% de crianças em idade escolar. O TDAH é diagnosticado muito mais frequentemente em meninos do que em meninas.
A maioria das crianças com TDAH também sofre de pelo menos um outro problema de comportamento ou de desenvolvimento. Ainda podem apresentar outro problema psiquiátrico, como depressão ou transtorno bipolar.
Sintomas
Os sintomas do TDAH estão divididos em desatenção, hiperatividade e impulsividade.
Algumas crianças com TDAH normalmente têm o tipo desatento, outras têm o tipo hiperativo-impulsivo e algumas têm uma combinação dos dois. As que sofrem do tipo desatento são menos perturbadas e muitas vezes não recebem o diagnóstico de TDAH.
Sintomas da desatenção:
Não consegue dar atenção a detalhes ou comete erros resultantes de descuidos no trabalho escolar
Tem dificuldade de manter a atenção nas tarefas ou em jogos
Parece não escutar quando falamos diretamente com ela
Não segue as instruções completamente e não consegue terminar trabalhos escolares, tarefas ou deveres no trabalho
Tem dificuldade em organizar tarefas e atividades
Evita ou não gosta de tarefas que demandem manter esforço mental (como trabalhos escolares)
Seguidamente perde brinquedos, trabalhos, lápis, livros ou ferramentas necessárias para tarefas ou atividades
Distrai-se facilmente
Frequentemente, tem problemas de memória em atividades cotidianas

Sintomas de hiperatividade:
Mexe as mãos e o pés o tempo todo e se retorce na cadeira
Levanta-se quando deve permanecer sentado
Corre ou sobe em móveis em situações inapropriadas
Tem dificuldade de brincar em silêncio
Parece frequentemente estar “ligada na tomada” e fala excessivamente

Sintomas de impulsividade:
Fala antes que as perguntas sejam completadas
Tem dificuldade de aguardar a vez
Interrompe ou se intromete entre os outros (se mete em conversas e jogos)

Sinais e testes
Com muita frequência, crianças difíceis são incorretamente rotuladas com TDAH. Por outro lado, muitas crianças que sofrem do TDAH permanecem sem o diagnóstico. Em ambos os casos, problemas de aprendizado e de humor são ignorados com frequência. A American Academy of Pediatrics (AAP) traçou diretrizes para trazer mais luz a esse assunto.
O diagnóstico é baseado em sintomas muito específicos, que devem estar presentes em mais de um ambiente.
As crianças devem apresentar pelo menos seis sintomas de desatenção ou seis sintomas de hiperatividade/impulsividade antes dos 7 anos.
Os sintomas devem estar presentes pelo menos há seis meses, ocorridos em dois ou mais ambientes e não serem provocados por outro motivo.
Os sintomas devem ser graves o suficiente para resultar em dificuldades significativas em muitos ambientes, inclusive em casa, na escola e no relacionamento com os demais.
Em crianças mais velhas, o TDAH encontra-se em remissão parcial quando elas ainda têm os sintomas, mas não se enquadram mais totalmente na definição do transtorno.
Se houver suspeita de TDAH, a criança deve passar por uma avaliação médica. A avaliação pode consistir em:
Questionários para pais e professores
Avaliação psicológica da criança E da família, incluindo testes de QI e psicológicos
Exames completos mentais, nutricionais, físicos, psicossociais e de desenvolvimento
Tratamento
As diretrizes da AAP para tratamento do TDAH:
Estabelecer metas específicas e apropriadas para guiar a terapia.
Iniciar terapia comportamental e medicamentosa.
Se o tratamento não alcançar as metas estabelecidas, reavaliar o diagnóstico original, a possível presença de outras doenças e a implementação do plano de tratamento.
Manter acompanhamento médico regularmente para verificar as metas, os resultados e quaisquer efeitos colaterais das medicações. Durante esses check-ups, devem ser coletados dados de pais, professores e da criança.
Medicamentos
Crianças que recebem o tratamento comportamental e medicamentoso costumam se sair melhor. Existem atualmente diversas classes diferentes de medicamentos para o TDAH, que podem ser ministrados individualmente ou em combinação. Os psicoestimulantes (também conhecidos como estimulantes) são as drogas mais comuns usadas no tratamento do TDAH. Apesar do nome, essas drogas na verdade têm um efeito calmante nos portadores de TDAH.
Essas drogas incluem:
Anfetamina-dextroanfetamina (Adderall)
Dexmetilfenidato (Focalin)
Dextroanfetamina (Dexedrine, Dextrostat)
Lisdexanfetamina (Vyvanse)
Metilfenidato (Ritalina, Concerta, Metadate, Daytrana)
O FDA, agência de controle de medicamentos e alimentos dos Estados Unidos, aprovou a droga não estimulante atomoxetina (Strattera) para o uso no tratamento de TDAH. Ela pode ser tão eficaz quanto os estimulantes, e o risco de mau uso é menos provável.
Alguns medicamentos para TDAH têm sido associados à ocorrência rara de morte súbita em crianças com problemas cardíacos. Converse com seu médico sobre o melhor medicamento para seu filho.
Terapia Comportamental
Antes e após o diagnóstico da criança com TDAH, a família inteira vive sob estresse. As famílias podem sentir culpa, raiva e frustração. A psicoterapia para a criança e a família pode ajudar a todos na superação desses sentimentos para poder seguir adiante.
Os pais devem usar um sistema de recompensa e consequência para ajudar a guiar o comportamento do filho. É importante aprender a lidar com comportamentos desruptivos. Os grupos de apoio podem auxiliar a encontrar outros com problemas parecidos.
Outras dicas para ajudar seu filho com TDAH:
Comunique-se regularmente com o professor do seu filho.
Mantenha uma programação diária consistente, com hora certa para o tema de casa, para as refeições e para atividades externas. Faça as alterações nessa programação antecipadamente e não em cima da hora
Restrinja as distrações no ambiente do seu filho.
Cuide para que seu filho siga uma dieta saudável e variada, com muitas fibras e nutrientes básicos.
Certifique-se de que seu filho durma o suficiente.
Elogie e recompense o bom comportamento.
Dê regras claras e consistentes para seu filho.
O TDAH pode ser um problema frustrante. Remédios alternativos têm se tornado popular, incluindo ervas, suplementos e manipulação quiroprática. Entretanto, há pouca ou nenhuma evidência sólida para a maioria dessas práticas.
Expectativas (prognóstico)
O TDAH é uma doença crônica de longa duração. Se não tratado adequadamente, o TDAH pode provocar:
Abuso de álcool e de drogas
Fracasso escolar
Problemas para manter o emprego
Problemas com a lei
Cerca de metade das crianças com TDAH seguirão tendo sintomas problemáticos de desatenção ou impulsividade na idade adulta. Entretanto, os adultos costumam ser mais capazes de controlar o comportamento e mascarar as dificuldades.
Ligando para seu médico
Procure seu médico caso você ou a escola do seu filho suspeitem que ele sofra de TDAH. Informe seu médico sobre quaisquer:
Dificuldades em casa, na escola ou no relacionamento com os colegas
Efeitos colaterais da medicação
Sinais de depressão
Prevenção
Embora não haja maneira comprovada de prevenir o TDAH, quanto mais cedo ele for identificado e tratado, mais problemas associados ao transtorno poderão ser evitados.
Referências
Pliszka S; AACAP Work Group on Quality Issues. Practice parameter for the assessment and treatment of children and adolescents with attention-deficit/hyperactivity disorder. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2007 Jul;46(7):894-921.
National Institute of Mental Health (NIMH). Attention deficit hyperactivity disorder (ADHD). Accessed January 14, 2010.
Prince JB, Spencer TJ, Wilens TE, Biederman J. Pharmacotherapy of attention-deficit/hyperactivity disorder across the life span. In: Stern TA, Rosenbaum JF, Fava M, Biederman J, Rauch SL, eds. Massachusetts General Hospital Comprehensive Clinical Psychiatry. 1st ed. Philadelphia, Pa: Mosby Elsevier; 2008:chap 49.
Todas as doenças